Justus diz ter aval para mexer em suas falas: "Não estou igual a um robô"

Em sua primeira experiência como apresentador de "A Fazenda", Roberto Justus descarta que esteja engessado pelo texto do teleprompter (TP) - equipamento que é acoplado à câmera com as falas servem para orientá-lo durante o programa. Há uma semana, o colunista Flávio Ricco, do UOLcriticou a atual edição ao dizer que Justus está refém do que está escrito no TP e que o artifício deveria ser utilizado apenas para transmissão de informações importantes.
Na sede do reality show em Itu (São Paulo), o empresário afirmou que está à vontade e diz ter como referência a opinião de uma de suas filhas.
"A minha filha Fabiana fala para mim, 'pai, você está tão natural!'. Eu comentei com ela, 'então você está sentindo o que eu estou falando, não estou igual a um robô'", afirmou.
Ele disse que tem liberdade para fazer intervenções no texto e que, às vezes, teme assustar o diretor, Rodrigo Carelli, quando faz um comentário ao vivo no programa que não estava previsto no roteiro.
"Eu dou uma mexida sozinho na hora, isso é um risco gostoso e dá uma adrenalina maravilhosa. Eu falo para o Carelli, 'eu vou voar' e ele fica querendo me dar bronca. Ele me fala, pode brincar quando quiser, mas sempre volte para a frase final", disse Justus. Ele destacou que é importante dizer a frase final já prevista para "dar a deixa" para a produção.
O apresentador disse que incorporou o hábito de fazer observações sobre os comportamentos dos peões, algo que, segundo Carelli, é uma inovação proposta por Justus.
"A equipe de redação é brilhante e eu preciso ter uma sequência das coisas que estão acontecendo, não posso ficar simplesmente divagando. Eu me sinto seguro com a equipe, que faz um trabalho muito bom e espelhando o que está acontecendo [no confinamento]. Mas não há nada que seja bom que não possa ser um pouco melhorado. Eu dou as minhas contribuições. É uma mistura de TP com Roberto", ressaltou o empresário.

Nenhum comentário